Outros posts

Esperando Layla... Interfaces Event Electronics/Echo Layla, Gina & Darla

Sonho ou realidade? Uma interface de áudio profissional com todos os recursos das concorrentes e pela metade do preço. Mas, será que ela vem?

Foi anunciado em junho, com grande estardalhaço, nas principais revistas mundiais do setor, o lançamento simultâneo de três interfaces de áudio, por uma nova fábrica, a Event Electronics, em associação com a Echo. Com sugestivos nomes femininos, Layla, Gina e Darla abalaram os corações do mundo da informática musical, antes mesmo de serem testadas, unindo insuperáveis recursos a preços inacreditáveis. Mais de quatro meses depois, no entanto, Layla, a principal das três, ainda não deu as caras, deixando seus pretendentes com a sensação de que era boa demais pra ser verdade... Suas irmãs já estão à venda, informa o marketing da Event, mas o mercado já começa a cair na real. Quando surgiram, no primeiro semestre de 1997, os primeiros anúncios das novas placas, nas revistas americanas Keyboard Magazine, Mix e outras, o mercado de digital home recording (gravação digital em home studios) vinha sendo abastecido normalmente por fabricantes já tradicionais de placas e interfaces de áudio, como a Digidesign (que fabrica o Pro Tools, o Session 8 e a placa Audiomedia III), a Soundscape (SSHDR1) e outras. Com fundo vermelho e letras garrafais em páginas duplas (em geral, 4 por revista), os anúncios tiraram a respiração de muita gente. As novidades que a Layla promete são, por exemplo, oito entradas e dez saídas analógicas de áudio em conectores de ¼” (P10 ou "banana”) balanceados, com conversores de 20 bits, entradas e saídas digitais S/PDIF de 24 bits, MIDI, sync, inúmeros recursos de edição de áudio etc., etc., etc. Tudo isso num rack externo ao computador, e por 999 dólares, o preço sugerido pelo fabricante para o mercado americano. Além de tudo, sua tecnologia seria compatível com todos os softwares conhecidos do mercado e totalmente plug and play no Windows 95. Segundo informações fornecidas por importadores brasileiros, o mercado de placas de som profissionais teria sido paralisado pela expectativa criada com os lançamentos da Event. Todos os que se preparavam para adquirir seus sistemas de gravação em PC teriam parado para aguardar as primeiras impressões do mercado com respeito à Layla, especialmente, antes de decidir o que comprar. As razões ficam claras quando se dá uma passada de olhos nas especificações técnicas e nos preços dos três produtos:

Gina: Placa PCI para PC (Pentium) ou Mac (Power PC), com interface externa, contendo 2 entradas e 8 saídas de ¼” (banana) não balanceadas e conversores AD/DA de 20 bits. Entrada e saída S/PDIF de 24 bits, DSP (digital signal processing) Motorola 56301 de 24 bits. Ajuste automático do ganho de entrada. Com o pacote vem o mesmo software que controla os volumes de entrada, e é full duplex (grava e reproduz o som simultaneamente), permitindo que se grave em 4 canais enquanto se ouve o playback de 10. Sua freqüência de resposta também vai de 10Hz a 22kHz e a curva dinâmica é igualmente de 98dB. Preço sugerido nos EUA: 499 dólares.

Darla: A menor das irmãs Event é uma placa sem interface externa, mas que aparenta resolver o problema do ruído gerado pelo computador: seus conectores e conversores ficam numa caixinha que se conecta à traseira da placa pelo lado de fora da CPU. Placa PCI para PC (Pentium) ou Mac (Power PC), com 2 entradas e 8 saídas RCA e conversores AD/DA de 20 bits. DSP (digital signal processing) Motorola 56301 de 24 bits. Ajuste automático do ganho de entrada. O mesmo software que vem com Layla e Gina controla os volumes de entrada, e é full duplex (grava e reproduz o som simultaneamente), permitindo que se grave em 2 canais enquanto se ouve o playback de 8. Sua freqüência de resposta também vai de 10Hz a 22kHz e a curva dinâmica é igualmente de 98dB. Preço sugerido nos EUA: 299 dólares. Comparando-se recursos e preços dessas interfaces com as suas rivais, percebe-se que a Event entrou no mercado para vencer em todas as faixas, do profissional ao iniciante em gravação. As edições da Backstage de agosto e setembro trazem, na seção Home Studio, duas tabelas comparativas dos diversos produtos. Para se ter uma idéia, o Session 8, com as interfaces 882 ou 882 Studio, respectivamente concorrentes da Gina e da Layla, ou a Audiomedia III, grande rival da Darla, chegam a custar mais que o dobro das placas da Event Electronics. Desde junho, usuários e lojistas se perguntavam: mas, e o som? É bom mesmo? Como conseguiram reduzir tanto os custos de tão alta tecnologia? E elas serão mesmo plug and play (plugue e use) ou plug and pray (plugue e reze)? Não precisa configurar? Motivos não faltaram para tirar o sono dos executivos da Digidesign, líder do mercado de placas de som profissionais, e dos outros concorrentes. Mas parece que, de uns dias pra cá, a insônia foi visitar os donos da Event. O primeiro sinal foi um programinha que a fábrica americana disponibilizou em seu site na Internet (http://www.event1.com), para os usuários testarem seus computadores antes de comprar os produtos Event. O pequeno software, chamado de Echo Reporter, foi feito pela Echo, parceira da Event no projeto Layla/Gina/Darla. Testa a velocidade do HD e verifica o hardware instalado no micro. Mas, foi no dia 8 de outubro que os mais afoitos por comprar a Layla receberam um balde de água fria. Layla mandou seu pai (no caso, o presidente da Event, Russell Palmer) avisar que já vem, mas que ainda está se arrumando para o encontro com seus pretendentes. Mandou dizer também que vai sair com um fã de cada vez. Sim, é verdade: mister Palmer veio a público com uma carta de duas laudas, publicada na Internet, relatar a situação atual. Disse que, devido a uma série de histórias que estavam povoando a Grande Rede, ele achou por bem dar a palavra do chefe. Primeiro, falou que, se uma empresa cresce 20% ao ano, ela já tem bastante trabalho para atualizar seus sistemas, e que eles estão crescendo 20% ao mês e procurando “manter o olho na bola”. Em seguida, afirmou que Gina e Darla estavam lançadas e as lojas ao redor do mundo, abastecidas. Que as duas funcionam bem, mas que houve diversos casos de conflitos de IRQ e problemas com versões não típicas do Windows 95. Reclamou dos computadores Compaq e Hewlett-Packard (líderes do mercado), afirmando que os produtos virão a funcionar nesses computadores, mas sugerindo que o usuário tenha um micro exclusivo para gravar áudio digital e outro para os “serviços domésticos”. Do Macintosh, então, nem se fala, estão ainda desenvolvendo os drivers. Afirmando que a Event tem uma equipe muito dedicada, Russell Palmer reconhece que não deveria ter sido tão agressivo no marketing da Layla. Diz ainda que os engenheiros prometeram (!) que o produto estará nas lojas em dezembro (!!), em quantidades limitadas (!!!). Despede-se dizendo que a Event Electronics é um grupo de pessoas muito responsável e que fazem produtos para agradar e ajudar seus clientes. Já é bem conhecida do público de informática a técnica apelidada de “vaporware”: anuncia-se o lançamento de um novo produto, que demora muito a ir para as lojas. Quando chega, o público já o espera tão ansiosamente que não quer mais testá-lo, conhecê-lo ou esperar que outros o testem e os preços baixem: quer tê-lo, de preferência antes de todo mundo. O Windows 95, que quase saiu em 96, é um exemplo clássico. Anunciado muito tempo antes, atrasado por infinitos “bugs” que nunca terminavam de aparecer, o sistema operacional da Microsoft chegou em agosto de 1995, encontrando uma legião de fãs apaixonados que pernoitaram diante das lojas na esperança, cada um, de ser o primeiro a ter a versão definitiva. Este ano, temos alguns produtos anunciados na Musikmesse, a feira de música de Frankfurt, que, até agora, ninguém sabe, ninguém viu. É o caso do Lexicon Studio, sistema parecido com a Layla, e da mesa digital da Mackie. Ambos aparentam ser excelentes produtos, mas, não se sabe por que, também não vieram a público, ainda. Pelo menos, não foram anunciados na imprensa especializada. A grande promessa que é a Layla aponta para mais uma revolução no campo dos home studios, com sua excelente relação custo/benefício. Resta conhecer o seu som, sua funcionalidade e, principalmente, quando (e se) ela vem. Quem viver, verá.

Siga o HOME STUDIO
  • Facebook Basic Square
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Social Icon
RSS Feed
Destaques
Categorias
Home Studio - Escola de produção musical

O PRIMEIRO CURSO DE PRODUÇÃO MUSICAL DO BRASIL

  • Grey Instagram Icon
  • Grey Facebook Icon
  • Grey YouTube Icon
  • Grey Twitter Icon