A Escola | Cursos | Professores | Artigos | Links
 


ENDEREÇAMENTO ESTÉREO DOS PROCESSADORES DE EFEITOS


Sérgio Izecksohn

Nos trabalhos desenvolvidos em muitos estúdios, é comum ouvirmos os sons de vozes e instrumentos espalhados pelo campo estéreo, com os efeitos “embolados” em torno do centro. Para realizarmos uma mixagem mais clara, com melhor definição dos sons, o ideal, de modo geral, é que cada efeito seja ouvido em torno do som que ele afeta. Isto é perfeitamente possível se usamos um processador de efeitos dual ou duplo e uma mesa de som com pelo menos dois canais auxiliares.

Podemos usar um mesmo processador para adicionar um efeito a vários sons simultaneamente, mesmo com intensidades diferenciadas desse efeito. Para isso, usamos os canais auxiliares da mesa de som. O que pouca gente sabe é que podemos usar esse efeito sobre os vários sons de acordo com as posições desses sons no espaço estéreo (esquerdo-direito).

Como a quase totalidade das mesas dos home studios tem o endereçamento mono para os processadores de efeitos, o senso comum indica a conexão mono. Os primeiros processadores de efeitos estéreo eram constituídos de um único processador interno. Neste caso, era justificado o envio do sinal mono da mesa para o efeito. Porém, hoje, a grande maioria dos modelos de efeitos é integrada por dois processadores, o esquerdo e o direito. São os chamados dual processors. Embora as mesas continuem a ser fabricadas com a “mandada” mono, veremos adiante uma maneira simples e prática de aproveitarmos os recursos do processamento estéreo.

SEND mono e RETURN estéreo. Tipicamente, para usarmos um processador de efeitos, como um reverberador, nos canais da mesa de som, conectamos a saída AUX SEND da mesa a uma das entradas (INPUT LEFT ou RIGHT) do processador, assim como suas saídas OUTPUT LEFT e RIGHT são conectadas às entradas AUX RETURN LEFT e RIGHT da mesa. Controlamos a intensidade do efeito em cada canal da mesa através do botão AUXILIAR do canal. Por exemplo, se temos uma voz no canal 1, um violão no canal 2 e um baixo no canal 3 e queremos adicionar reverberação, primeiro ligamos o reverberador aos conectores AUX SEND 1 e AUX RETURN 1. Se desejamos muita reverberação na voz, pouca no violão e nenhuma no baixo, giramos bastante o botão AUXILIAR 1 do canal 1, movemos moderadamente o AUXILIAR 1 do canal 2 e deixamos fechado o AUXILIAR 1 do canal 3.


Endereçamento básico: SEND mono e RETURN estéreo

No processador, o nível de entrada (botão INPUT) é ajustado de acordo com o LED, deixando entrar sinal o suficiente para não distorcer, o que é avisado pela luz vermelha. Os demais níveis (MIX ou intensidade e OUTPUT ou saída) são ajustados ao máximo. Assim, com o processador emitindo apenas efeitos, controlamos na mesa o nível do som no fader (botão deslizante de volume) e o nível de seu efeito no respectivo botão auxiliar.

Uma segunda conexão auxiliar (AUXILIAR 2) normalmente serve para ligarmos outro processador de efeitos para ser usado sobre os mesmos canais da mesa. Ligado ao AUXILIAR 2, um chorus poderia afetar o baixo e o violão em intensidades diferentes, bastando girar os botões AUXILIAR  2 dos respectivos canais nos níveis adequados.

Nesta ligação, a “mandada” de efeitos (AUX SEND) é mono e o retorno (AUX RETURN) é estéreo. Na verdade, em praticamente todas as pequenas mesas analógicas, só o retorno auxiliar é estéreo, composto de duas entradas, esquerda e direita. A “mandada” é quase sempre mono, composta de um único conector AUX SEND que envia o som a uma das entradas do processador (a entrada mono, de acordo com o manual). Com isso, temos uma limitação no processamento: embora o efeito estéreo seja ouvido, “girando” em torno do centro ou se alternando à esquerda e à direita, os sons dos instrumentos e vozes podem estar um tanto deslocados em relação aos seus efeitos. Por exemplo, o violão pode estar com o pan um pouco para a esquerda, mas sua reverberação ficar oscilando em torno do centro auditivo, à esquerda e à direita.

Embora essa ligação permita a audição estereofônica dos efeitos, esta é uma estereofonia pela metade. Não basta o efeito girar no campo estéreo, recurso obtido através da ligação de dois cabos das saídas do efeito às conexões AUX RETURN LEFT e RIGHT. É preciso que cada efeito acompanhe a posição dos instrumentos na mixagem estéreo.

Com a mandada mono e a volta estéreo, não conseguimos posicionar os efeitos em relação ao panorama estéreo dos sons.

“Mandada” estéreo nas mesas com SEND mono. Conseguimos atingir o objetivo ligando duas “mandadas” auxiliares às entradas estéreo do processador de efeitos. Conectamos, por exemplo, o AUX SEND 1 da mesa ao INPUT LEFT (esquerdo) e o AUX SEND 2 ao INPUT RIGHT (direito) do efeito. Controlamos a intensidade do efeito, como sempre, no botão AUXILIAR de cada canal da mesa. Só que, agora, usamos dois botões auxiliares (1 e 2) em cada canal, o primeiro para dosar o efeito à esquerda e o segundo à direita.


Dois SENDs mono enviados para as entradas estéreo; a volta usa um par estéreo de RETURNs

Se, em nosso exemplo, o pan do canal da voz está na posição central, ouvimos a voz no centro. É natural querermos a reverberação em torno do centro. Basta abrir os botões auxiliares 1 e 2 do canal da voz em níveis idênticos. Mas, se o violão está com o botão pan virado um pouco para a esquerda, e queremos que a reverberação acompanhe a posição espacial do violão, abrimos mais o botão auxiliar 1 do que o auxiliar 2 no canal do violão. Isto fará com que mais sinal do violão entre pela esquerda do que pela direita do efeito. O efeito, igualmente, sairá mais forte pela esquerda, soando ao mesmo tempo em torno do violão (à esquerda) e da voz (ao centro). Para adicionar o efeito a um som que esteja mais para a direita, giramos o botão auxiliar 2 com mais nível que o auxiliar 1. O efeito também soará mais à direita. O mesmo processador de efeitos, desta forma, atua na voz, no violão e em quaisquer sons, respeitando suas posições no panorama estéreo.


No canal 1, com o PAN no centro, os auxiliares 1 e 2 têm a mesma intensidade; no canal 2, com o PAN mais à esquerda, o auxiliar 1 tem mais nível que o 2; no terceiro canal, o PAN para a direita demanda um nível mais
alto no auxiliar 2 do que no 1

Mesmo usando duas “mandadas” auxiliares (AUX SEND 1 e 2), o efeito retorna com dois cabos para um mesmo par de retornos (p/ ex., AUX RETURN 1 LEFT e AUX RETURN 1 RIGHT). O outro par de retornos auxiliares, no caso, fica vago, disponível para a conexão de um outro equipamento estéreo à mesa.

Com estas conexões, o ouvido determina, em cada canal, a quantidade de efeito que dosaremos para a esquerda e para a direita. Podemos experimentar efeitos especiais, como uma guitarra tocando de um lado e o seu eco respondendo do outro. Com os sons dos efeitos mais perceptíveis, por estarem posicionados corretamente, a mixagem se torna mais clara e a criatividade do produtor corre mais solta.


Sérgio Izecksohn (sergio@homestudio.com.br) é músico, produtor e professor dos cursos do Home Studio


Publicado na Revista Backstage em 2001