A Escola | Cursos | Professores | Artigos | Links
 


A Captação do Som
 

Sérgio Izecksohn

Gravar vozes, instrumentos acústicos e elétricos é a tarefa mais delicada de um estúdio. Ainda mais, por não haver regras pré-estabelecidas sobre qual a melhor forma de se captar o som de um instrumento. Neste artigo, vamos conhecer os procedimentos usuais de captação e os microfones mais usados pelos estúdios mundo afora.
 
Se o seu home studio opera somente via MIDI, isto é, se teclados e baterias eletrônicas são suas únicas fontes sonoras, não há muito com que se preocupar, pois os instrumentos eletrônicos são conectados diretamente à mesa de som pelos cabos de áudio. Porém, se o estúdio dispõe de um gravador multipista (em fita, HD ou MD) e tem o objetivo de gravar vozes e instrumentos, é necessário conhecer alguns recursos técnicos.
 
Se o seu home studio é básico, com um porta-estúdio cassete de 4 pistas e sem tratamento acústico, ainda não é o momento apropriado para se fazer uma coleção de microfones para todas as finalidades. Neste caso, o uso de microfones dinâmicos, desses que se usam nos palcos, como os Shure SM57 e SM58 (ou Beta 57, 58) pode ser uma boa solução. Dinâmicos e unidirecionais (cardióides), esses modelos compensam a falta de tratamento acústico do pequeno estúdio. Outra boa solução para o pequeno estúdio com isolamento acústico é o modelo AKG C3000, a condensador.
 
Há vários tipos de microfones, para diversas finalidades. Os microfones para gravação se dividem em dinâmicos, que são mais resistentes a ruídos de manuseio e têm uma resposta mais dura, e os microfones a condensador, bem mais sensíveis. Estes precisam ser alimentados por corrente elétrica. Geralmente, a mesa de som tem uma chave de “phantom power”, que os alimenta com uma corrente de 48 V através do próprio cabo de áudio. Quanto à área de atuação, os cardióides captam melhor o som numa área em forma de coração, diante da cápsula e a moderada distância, sendo chamados de unidirecionais. Os hiper-cardióides têm essa área de captação ainda mais estreita. Há ainda os omni-direcionais ou multi-direcionais, captando áreas mais largas, e ainda em forma de 8.
 
A mesa deve ter inputs do formato XLR ou Canon para uma melhor qualidade do som. Se ela só possui entradas com plugs do tipo “banana”, verifique no manual se essas entradas são balanceadas. Neste caso, podem-se usar plugs banana estéreo (com 3 vias) para fazer a conexão. Note que esses plugs estéreo serão usados como “mono” (a terceira via é usada como terra). Para gravar instrumentos em linha numa mesa com entradas Canon, é ideal o uso de Direct Boxes, casadores de impedância que mandam o sinal para a mesa por cabos Canon. Já os microfones são plugados diretamente à mesa.
 
Vejamos aqui algumas técnicas e os microfones mais usados para a captação de vozes e dos instrumentos mais comuns:
 
Voz. Os microfones a condensador são os mais apropriados. Os mais usados são o Neumann U87 e AKG C-414. O AKG C3000, de menor custo, é uma boa solução para o home studio. O microfone deve ficar sempre no pedestal, com suspensão própria e uma tela para filtrar o som da voz e barrar a emissão mais forte do ar, que causa o indesejável “puf” na gravação. A distância varia de acordo com a potência vocal do cantor, geralmente entre 20 e 70 cm, mais ou menos na altura dos olhos.
Usando-se um microfone dinâmico (no pequeno estúdio), deve-se posicioná-lo a 45 graus da boca do cantor, a uns 5, 10 cm.
 
Violão. Temos aqui várias opções de captação. O violão com cordas de nylon será captado por um microfone a condensador, como os citados para voz, a uns 20 ou 30 cm da boca do instrumento. Usa-se ainda, nos violões eletrificados, combinar o som do microfone com o som direto, plugando-se o violão em um segundo canal da mesa. O ideal é se gravar em várias pistas para então dosar o nível dos sons. O violão com cordas de aço, atuando em conjunto com outros instrumentos de harmonia, pode ser captado por um microfone que realce as altas freqüências (agudos), como o AKG C-391 ou o Shure SM-81.
 
Guitarra. Apesar da polêmica entre som direto e microfonado, é majoritária a gravação da guitarra através de microfones dinâmicos, como o Shure SM-57, captando o alto-falante do amplificador a uns 20 cm. O amplificador deve estar em outra sala, isolado da técnica. Após se definir o timbre no amplificador da guitarra, busca-se reproduzi-lo nos monitores do estúdio através dos equalizadores da mesa. Usa-se também a gravação em linha através de um pré-amplificador.
 
Baixo elétrico. Pode ser gravado diretamente na mesa, microfonado, via amplificador, ou de várias formas combinadas. Microfonado, segue os padrões da guitarra, usando Shure SM 57, AKG D112, Eletro-Voice RE 20 ou Sennheiser 421. Em linha, com direct box, o som é mais nítido. As cordas têm que estar novas, o instrumento regulado e, se usar captação ativa, bateria nova. O ideal é experimentar até se alcançar a sonoridade desejada. O custo/hora do home studio costuma ser bem menor que nos estúdios de maior porte, o que permite uma experimentação maior.
 
Bateria. Usam-se vários microfones diferentes, em geral dinâmicos para as peles e condenser para os pratos. Para a caixa, o mais comum é o Shure SM57, voltado para a pele superior, a uns 5 cm. Para o bumbo, AKG D112 ou Eletro Voice RE 20, dentro do bumbo. Tom tons e surdo, Sennheiser MD 421, posicionados como na caixa. Contratempo, Shure SM 94. Os pratos podem ser captados por dois microfones overall do tipo lapiseira, como o Shure SM 81.
 
Nunca é demais experimentar opções de captação, já que o que realmente importa é o resultado. A boa execução vocal ou instrumental é o fator mais importante para uma gravação de qualidade. Não deixe para recuperar a qualidade na mixagem. As melhores soluções são encontradas na hora de gravar.


Sérgio Izecksohn (sergio@homestudio.com.br) é músico, produtor e professor dos cursos do Home Studio


Publicado na Revista Backstage em 1997